Publicado:
Postador Por Rembrandt Carvalho

Plano de Governo do prefeito Daniel Galdino será colocado em prática; tudo vai depender da situação em que se encontra o Município e também do apoio de parlamentares no Congresso Nacional

Plano de Governo de muitos pré-candidatos no ato do registro de suas chapas (registro de candidaturas) no TRE-PB são de extrema evolução e chegam a dá a impressão de que um mundo novo surgirá sobre a nossa cidade. Isso ocorre com todos os candidatos quando do registro de suas candidaturas a prefeito, nesse caso em comum. 

Observando os Planos de Governo dos dois candidatos com registro para concorrer às eleições de 02 de outubro próximo passado na cidade de Piancó, podemos observar que, em primeiro lugar, as propostas apresentada pelo então candidato Sales Lima (DEM) que foi eleito e assumiu em janeiro de 2012. Foi eleito mas deixou de lado a Peça Inicial, que poucos tem o cuidado de ler, interpretar, cobrar e antes de tudo ver se é possível sua execução. Nada, simplesmente nada do que foi apresentado naquele ano, teve alguma coisa realizada pelo prefeito eleito.

Neste ano de 2016 nos restringimos a estudar o Plano de Governo do prefeito eleito Daniel Galdino e seu vice Antonio Dantas.

O Plano de Governo é uma peça fundamental para qualquer gestor mas, na história política de Piancó, nunca nenhum prefeito após eleito, sequer observou o que foi apresentado a Justiça Eleitoral com relação a seu Plano de Governo. Tudo não passa de um simples papel com algumas laudas, em muitos casos copiadas de outros candidatos de regiões diferente da nossa, sem levar em consideração que as propostas eram utópicas e chegavam ao ponto da ridicularidade.

No Plano apresentado por Daniel Galdino e Antonio Dantas, hoje prefeito e vice, respectivamente, há propostas um tanto fantasiosas, mas existe alguns pontos que podem e devem ser colocado em prática, desde que exista parlamentares na Cãmara Federal, capaz de ajudar com Emendas. como se sabe, nenhum município do porte de Piancó tem condições financeiras de executar obras na cidade, a não ser aquelas comuns, como por exemplo: fazer  e recuperar estradas vicinais, oferecer automóveis às famílias carentes que necessitam se deslocar à Capital em busca de um exame médico mais avançado, colocar caminhão pipa para fornecer água aos moradores, reorganizar a Farmácia Básica do Município, resgatar a Cultura e a História local, etc.

O que nós cidadãos devemos fazer, é observar a situação do Município, ver quanto os cofres públicos recebe todos os meses - isso a gente vai fazer acessando o site do Sagres-PB -, e exigir, dentro da realidade, que se cumpra o que fora prometido. Caso contrário, buscaremos um contato direto com o prefeito para que ele possa se justificar, e se a sua justificativa não convencer, o cidadão e suas entidades organizadas - não os sindicados pelegos -, e acionar o Ministério Público.

Se você votou, tem o o direito de cobrar... Agora é preciso que você faça a sua parte: Pague seu IPTU em dia,  Respeito o Código de postura do município, exija do seu vereador que aprove leis para auxiliar o prefeito na execução de alguns projetos, etc.

Todos são livres pra fazer e falar o que se pensa; mas antes de tudo é necessário fazer o que se deve. Lei as Constituições Federal, Estadual e a Lei Orgânica Municipal, além da Lei de Responsabilidade Fiscal. É bem verdade que um gestor municipal está de mãos atadas diante de tantas leis que impedem que ele faça o que a sociedade cobra. Caso ele incorra em alggo que extrapole as leis, ele está sujeito de num futuro bem próximo, ter suas contas rejeitadas pelo TCE-PB.

Vamos fiscalizar, mas antes é necessário ver o que pode e não, ser feito pelo novo prefeito.


Blog do RC/oblogdepianco.com.br

OUÇA A RADIO KEBRAMAR FM