Publicado:
Postador Por Rembrandt Carvalho

“Manifestações foram pífias”, diz ministro


O ministro da Justiça Osmar Serraglio criticou as manifestações realizadas pelas centrais sindicais contra as reformas trabalhistas e da previdência nesta sexta-feira (28). Em visita a Londrina, no norte do Paraná, Serraglio afirmou que os protestos não têm sentido. “[As manifestações] Foram pífias, não teve a expressão que se imaginava ter. Forçou-se até a situação quando se percebeu que os resultados não eram os imaginados”, criticou o ministro.
O ministro ainda criticou a atitude dos sindicatos. “Os sindicatos têm uma disponibilidade de mais de R$ 2 bilhões, e agora estão percebendo que os operários e trabalhadores estão acordando para essa realidade. Não faz sentido brigar, fazer greve para pagar imposto”, disse o ministro.
Serraglio defendeu o direito de manifestação e protesto, no entanto observou que esses protestos não podem perturbar pessoas não desejam participar do movimento.
“Vimos provocações em alguns lugares, interdições em outros locais, mas aqueles movimentos que nós fizemos de milhões não aconteceu. Logo, nós iremos prosseguir com as reformas que estamos introduzindo”, pontuou.
O ministro da Justiça garantiu que o governo estava estruturado e preparado para as manifestações. Detalhou que as instituições funcionaram, o país funcionou normalmente e as polícias Federal, Rodoviárias e Militares tomaram as providências quando foi necessário.
Serraglio pontuou ainda que a população entende as necessidades das reformas, uma vez que o governo está pendido sacríficios por estar em dificuldade econômica. “A população sabe que precisamos tomar um remédio amargo para uma doença triste. É difícil, mas é necessário”, concluiu.
Protestos
Desde o início da manhã desta sexta-feira, há registro de protestos em 26 estados e no Distrito Federal. Servidores públicos, bancários, motoristas de ônibus e professores estão entre as categorias que aderiram ao movimento.
Em Londrina, 150 mil usuários do transporte coletivo em Londrina foram prejudicados com a paralisação. Por volta das 12h45, alguns veículos deixaram a empresa e voltaram a circular. Também foram registrados problemas com o transporte público em Curitiba, Maringá, Foz do Iguaçu e Umuarama.
No norte do estado, escolas e centros municipais de educação infantil não tiveram aulas. Das 121 instituições de ensino municipais de Londrina, apenas onze funcionaram normalmente. Na cidade, cinco Unidades Básicas de Saúde amanheceram fechadas, a população não foi atendida.
G1

OUÇA A RADIO KEBRAMAR FM